Israelenses e Palestinos: Conflito e Solução

Por Gercyane Mylena Pereira de Oliveira, militante da União da Juventude Comunista e do Movimento Por Uma Universidade Popular, estudante de Ciências Sociais na UNIFESP

Foto: ANAS BABA/GETTY IMAGES 

Como devemos pensar sobre o conflito entre Israel e a Palestina? Por favor, note que pergunto antes: como pensar sobre antes do quê pensar. Antes de chegarmos a quaisquer conclusões substanciais – certamente antes de tomarmos lados – temos de ser claros quanto à forma como a questão deve ser encarada.

Seria um erro começar apelando para uma moral. É realmente necessário fazer um juízo de valor moral e com certeza não defendo evitá-lo. Mas não devemos começar com juízos de valor moral. Atribuir culpas por atrocidades, por exemplo, não é um bom ponto de partida. Em qualquer guerra, ambos os lados podem – e recorrentemente cometem – atrocidades hediondas: matar e mutilar desarmados inocentes, destruir suas casas, privá-los da sua subsistência. E é claro que todas estas atrocidades devem ser condenadas.

Leia mais

David Harvey X John Smith: ainda existe imperialismo?

Segundo Osório (2021, p. 79), “a inserção do marxismo nos debates internacionais, além de imprescindível, é incontornável para superar a aparência de sofisticação e penetrar até o cerne da realidade”. Porém, para se manter minimamente fiel ao método inaugurado por Marx e Engels, o marxismo jamais pode ser encarado como uma teoria acabada. Com efeito, como demonstra Fernandes (2021), o recrudescimento do imperialismo nas últimas décadas tem ensejado importantes debates no âmbito do marxismo. Sem nenhuma pretensão de abarcar toda a complexidade do debate em tela e correndo sério risco de incorrer em reducionismos, destaco três grandes posições que, no meu entendimento, são a alma desta rica discussão. A primeira é a que nega a atualidade do imperialismo. A segunda e a terceira são aquelas que, admitindo ou não questionando o imperialismo como um problema atual, localizam o eixo da exploração capitalista no Norte ou no Sul Global, respectivamente.    

Leia mais

O Socialismo Africano Revisitado

O Socialismo Africano revisitadoPor Kwame Nkrumah, via Marxists.org, traduzido por Gabriel Landi Fazzio

Nascido em 21 de setembro de 1909, Kwane Nkrumah foi o grande líder da independência de Ghana e um dos mais influentes pensadores do chamado ‘socialismo africano’. Influenciado pelas ideias de Marcus Garvey, do marxista C.L.R. James, do exilado russo Raya Dunayevskaya e do sino-americano Grace Lee Boggs, Nkrumah desenvolveu sua obra em constante relação com os desenvolvimentos da luta independentista na África.

O texto abaixo foi originalmente lido no Seminário Africano que ocorreu no Cairo, sob o convite de dois órgãos, o “At-Talia” e o “Problemas da Paz e Socialismo”.

Leia mais

Se a cidade fosse dos trabalhadores e das trabalhadoras por Marcelo Braz

altNesse ensaio Marcelo Braz, professor doutor da Escola de Serviço Social da UFRJ, didaticamente demonstra como a construção do espaço urbano nas grandes cidades também é essencialmente marcada pela luta de classes. Tendo o Rio de Janeiro como grande laboratório de remodelamento de uma cidade voltada para o grande capital, Braz expõe as contradições desse modelo segregador sem menosprezar as diversas resistências políticas e culturais da classe trabalhadora. Justamente às vésperas de eleições municipais vale a leitura para pensarmos uma alternativa popular e anticapitalista nas diversas lutas urbanas.

Leia mais

Redução da Maioridade Penal: Punir os pobres e acumular capital

Redução da Maioridade Penal: Punir os pobres e acumular capital.

por Thiago Sardinha Santos, professor de geografia, educador popular e militante da célula de professores do PCB – Partido Comunista Brasileiro – no RJ.

“A criminalização dos pobres intitulados como “inimigos” , quase sempre, são negros e moradores da favela, eles formam as “classes perigosas”. Diante disso, “nessa guerra”, a identificação do inimigo obedece a critérios  geográficos, sociais, raciais, que impõem as camadas miseráveis da população a triste generalização de pobreza, raça e crime.”

Leia mais

Karl Marx tinha razão

Chris Hedges

 

A fase final do capitalismo, escreveu Marx, seria marcada por desenvolvimentos que, para a maior parte de nós, são hoje familiares. Incapaz de se expandir e gerar lucros ao nível do passado, o sistema capitalista começaria a consumir as estruturas que o têm sustentado.

 

Chris Hedges juntou-se aos professores Richard Wolff e Gail Dines no  Left Forum na cidade de Nova Iorque para discutirem porquê Karl Marx é fundamental numa época em que o capitalismo global está em colapso. Junta-se o comentário feito por Hedges na abertura da discussão.

Leia mais

Syriza e Podemos: a social democracia ontem e hoje

por Patrício Freitas e Jones Manoel (militantes da UJC e PCB).

“Nos anos oitocentos um espectro rondava a Europa. As condições precárias da classe

trabalhadora confirmavam a tese de que as revoluções burguesas não poderiam ser

suficientes para acabar com a miséria e opressão sobre toda população. Com a

revolução industrial, mesmo com o grande avanço das forças produtivas, os homens e

mulheres que produziam as riquezas continuavam privados delas. Essa forma ainda

embrionária, fantasmagórica, que aterrorizava os senhores burgueses ganhou força e os

trabalhadores se organizaram por todo o mundo, revoltas e revoluções marcaram a

história do movimento operário, e o espectro se materializava pouco a pouco..”

Clique para ler o texto na íntegra:

Leia mais

Os perigos de uma tática: a auditoria da dívida pública por Sofia Manzano

“Muitas organizações de esquerda apresentam a auditoria da dívida pública como uma das principais lutas dos trabalhadores contra a burguesia. Essas organizações entendem que os pagamentos dos juros e as amortizações efetuadas pelo Estado são uma das formas mais perversas de a burguesia se apropriar do fundo público, principalmente em momentos de crise do processo de acumulação do capital, e, com isso, impõe ao Estado o fim, ou a redução, das políticas públicas voltadas à assistência da população.”

Sofia Manzano é economista e professora do Departamento de Ciências Sociais Aplicada da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), autora do livro Economia Política para Trabalhadores (São Paulo: ICP, 2013) e Membro do Comitê Central do PCB.

Leia mais

O Trotsky de Padura, Danton e a Revolução por Miguel Urbano Rodrigues

O Trotsky de Padura, Danton e a Revolução

por Miguel Urbano Rodrigues

O mais recente livro do escritor cubano Leonardo Padura tem sido largamente promovido, com numerosas edições em castelhano, português e outras línguas. O jornal Público consagrou três páginas ao livro e ao autor. O livro tem valor literário. Mas o que obviamente justifica este entusiasmo é que o autor abomina – é a palavra – o socialismo e o comunismo. Embora não o afirme explicitamente nos seus livros, põe os seus personagens a falar por si.

Leia mais

Causas econômicas do antipetismo da classe média

Causas econômicas do antipetismo da classe média

Golbery Lessa (membro do Comitê Central do PCB)

Jovens de Brasília assinam, durante manifestação em 15 de março, petição proposta pela TFP (Tradição, Família e Propriedade).

Se a esquerda deseja ter clareza sobre como agir diante da ampliação das manifestações organizadas por setores reacionários da classe média, precisa procurar uma explicação científica para o fato e não embarcar na versão apresentada pelo governo federal. É mais fértil procurar entender as bases econômicas, culturais e políticas do reacionarismo do que concebê-lo como um improvável desvio moral simultâneo de milhões de indivíduos. Seria desastroso fundamentar apenas na intuição o discurso e as ações contrários às dimensões ultradireitistas das manifestações corridas no último 15 de março. Para a esquerda, é mais importante tentar compreender os fatos do que promover uma competição para saber qual dos seus analistas ridiculariza melhor o bizarro discurso das passeatas verde-amarelas e cria o mais engenhoso anátema para estigmatizar os setores médios.

Leia mais