Campanha colaborativa “Ana Montenegro: a luta revolucionária das mulheres”

LIVRO SER OU NÃO SER FEMINISTA E OUTRAS OBRAS ESCOLHIDAS

“ Um reencontro que exige justiça para a realidade da memória histórica das lutas daquelas mulheres.”

A primeira mulher a ser exilada no período da ditadura militar no Brasil devido às importantes tarefas que cumpria na agitação e propaganda e nas relações internacionais do Partido Comunista Brasileiro (PCB), Ana Montenegro foi uma dessas militantes, como escreveu Brecht, imprescindíveis. Na Bahia, quando as bandeiras com seu nome balançam no ar em manifestações, sempre encontramos alguém para falar de suas histórias e seu vigor para a luta. Como muitos contam, mesmo quando idosa, ela pegava um ônibus e ia para o Subúrbio Ferroviário de Salvador ou para qualquer lugar que a convidasse, prestar assistência jurídica à classe trabalhadora mais pauperizada ou fazer falas públicas sobre as lutas comunistas.

Leia mais

Lindolfo Hill: um outro olhar para a esquerda

Carmen Dea Hill, filha de Lindolfo, e Alexandre Hill, autor da sua biografia.

Lançado em setembro de 2021, o livro “Lindolfo Hill: um outro olhar para esquerda” (Instituto Caio Prado Jr., 250 páginas) recupera a memória do vereador comunista no município de Juiz de Fora – MG, cassado no contexto de perseguição política do governo Eurico Gaspar Dutra contra o PCB no final da década de 1940. O professor Alexandre Müller Hill Maestrini, autor da biografia, também representa a família de Lindolfo Hill na luta pela restituição simbólica de seu mandato. O requerimento enviado à Câmara Municipal de Juiz de Fora e assinado conjuntamente por dirigentes do Partido Comunista Brasileiro, além do PCdoB e do PT, lembra que

O operário Lindolfo Hill era presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil de Juiz de Fora e apoiava as causas das lutas de classes por melhorias da vida e eliminação da inflação. Nas eleições de 19.1.1947, o município com 34.408 eleitores e uma população de 70.849, elegeu seu primeiro vereador comunista com consideráveis 938 votos. Como a maior expressão do PCB de Juiz de Fora, Lindolfo Hill foi o segundo mais votado.

Leia mais

As Ligas Camponesas na região do Triângulo Mineiro

Bacharel e licenciado em História pela Universidade Federal de Uberlândia, o Professor Luciano Patrice Garcia Lepera, apresentou no XXIV SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA, em 2007, importante trabalho sobre as Ligas Camponesas na região do Triângulo Mineiro, destacando o trabalho realizado pelos militantes do PCB no breve período de legalidade vivida pelo Partido de 1945 a 1947 e nos anos seguintes. Foram as primeiras Ligas de que se têm notícias no Brasil, precedidas apenas pela de Dumont, região de Ribeirão Preto, interior de São Paulo, fundada em 1945 também sob a liderança dos comunistas. Trata-se de fundamental estudo para se aprofundar o conhecimento acerca das ainda pouco pesquisadas lutas pela terra no Brasil.

Leia mais

Jacinta Passos: Coração Militante

Jacinta Passos, nascida no ano da eclosão da Primeira Guerra Mundial, educada em tradicional família do interior da Bahia, segundo princípios rígidos da Igreja Católica, rompeu os limites impostos por sua época e fez da poesia uma arma a serviço de sua militância em favor da justiça, da liberdade e do amor livre. Como jornalista, foi uma das raras mulheres da Bahia a expressar abertamente suas opiniões no início da década de 1940. Feminista, entendia que as mulheres só seriam donas de seus destinos quando toda a sociedade se transformasse, mas compreendia também que elas tinham projetos, necessidades e desejos específicos, relativos às suas relações com os homens. Jacinta ingressou oficialmente no Partido Comunista Brasileiro em 1945, nele permanecendo até morrer, em 1973. Foi militante em tempo integral, renunciando a quaisquer comodidades ou benefícios pessoais em nome das causas que defendia. Organizada por sua filha, Janaína Amado, a presente edição contém a poesia completa de Jacinta e ainda a sua prosa, composta de artigos para jornal, nunca publicados em livro.

Leia mais

Formoso Memórias de uma Luta

PAULO NUNES BATISTA, nascido em 1924, é poeta e escritor paraibano radicado em Anápolis, Goiás. Editou 11 livros, sendo nove de poesia, um de ensaio e um de contos, além de mais de 150 folhetos como cordelista. É membro da Academia Goiana de Letras e de outras instituições culturais. Paulo Nunes Batista adotou, em seus versos de cordel, vários pseudônimos, como o de “Pau Brasil”, com o fim de livrar-se da perseguição policial que, em todo o Brasil, movia-se contra os comunistas. No poema “Formoso, memórias de uma luta”, homenageia os camponeses que organizaram a guerrilha contra o latifúndio ao norte do Estado de Goiás em meados da década de 1950.

Formoso Memórias de uma Luta

Leia mais

Ana Montenegro, sinônimo de mulher e comunismo

Nascida em 13 de abril de 1915, em Quixeramobim (CE), Ana Montenegro estudou Letras e Direito na UFRJ e depois se radicou na Bahia. Participou desde muito jovem de iniciativas promovidas pelo movimento de esquerda. Filiou-se ao Partido Comunista (PCB) em 1944. Grande ativista do Movimento de Mulheres, foi fundadora da União Democrática de Mulheres da Bahia (1945). Também participou da fundação da Federação Brasileira de Mulheres – organização ligada ao PCB, da Liga Feminina da Guanabara, criada em 1959, e do Comitê Feminino Pró-Democracia. Atuou na Frente Nacionalista Feminista desde meados dos anos 1950 até o golpe de 1964.

Leia mais

Zuleide Faria de Melo, professora de Marxismo

Zuleide Faria de Melo, professora de Marxismo

por Miguel Urbano Rodrigues

O papel dos intelectuais comunistas na transmissão do pensamento de Marx é muito importante. Zuleide Faria de Melo cumpre esse papel de forma singular, demonstrando que o grande revolucionário

«ajuda a pensar a realidade do mundo [de hoje], a realidade humana, como pensamos o mundo, atuamos no mundo e o reinterpretamos».

Leia mais

O massacre dos operários da Usiminas

Artigo de Luiz Alves para o Blog A Verdade lembra o massacre sofrido pelos operários da Usiminas na cidade de Ipatinga, em 07 de outubro de 1963, em que a violência utilizada pela polícia do então governador Magalhães Pinto representava um ensaio do que estava para ocorrer no Brasil com a implantação da ditadura militar apoiada pelos grandes empresários e proprietários em abril do ano seguinte. O Jornal NOVOS RUMOS, órgão oficial do PCB, na edição nº 249, na página 07, denunciava, em reportagem intitulada “Usiminas: Escravidão e Violência”, as condições de superexploração a que estavam submetidos os trabalhadores e a repressão policial que se abateu sobre eles, quando decidiram ir à greve.

Leia mais

Artigo publicado em 15 de fevereiro de 1947 no jornal Classe Operária

Artigo publicado em 15 de fevereiro de 1947 no jornal Classe Operária, do PCB, divulgava a luta desenvolvida pelos camponeses da célula comunista Fazenda do Lajeado, em Goiás, em favor da construção de uma estrada. A notícia foi transmitida pelo “Classop” do Comitê Estadual, Sebastião Naves. Classop era a designação dada, no interior da organização comunista, ao responsável pelas tarefas de receber, distribuir e enviar o dinheiro arrecadado com a venda dos jornais, assim como em relação às contribuições extras. Era também o responsável pela correspondência com o jornal.

Leia mais