Redes sociais e centralismo democrático: oportunidades e desafios

 

Por Ben Becker, via Liberation School, traduzido por Gabriel Landi Fazzio

Este artigo é a versão editada de um documento interno do PSL (EUA – Partido pelo Socialismo e pela Libertação), inicialmente escrito no final de 2015. O documento embasou amplas discussões sobre a questão em todo o partido no início de 2016, examinando as novas possibilidades e dificuldades colocadas pela proliferação das mídias sociais a partir da perspectiva de um partido leninista.

Ben Becker, dirigente do partido, avalia as mudanças qualitativas resultantes destas mudanças para a comunicação de massas; os obstáculos à organização vertical; as tendências individualizantes das mídias sociais e outras tensões entre as mídias sociais e as organizações centralistas-democráticas. Analisa esta última questão comparando as mídias sociais com o “organizador coletivo” original dos leninistas: o jornal do partido. A seção final do artigo articula as novas questões de segurança levantadas pelas mídias sociais.

Como há poucos trabalhos que abordam essa questão de uma maneira sistemática e orientada para a ação, o PSL publicou o presente artigo a fim de que este seja um recurso para auxiliar os novos camaradas partidários e demais lutadores sociais diante da tarefa (muitas vezes frustrantes) de organização no meio virtual. Consideramos, neste sentido, que além da riqueza de seu conteúdo, o artigo parte de um ponto de vista particularmente relevante para a abordagem do problema das redes sociais e da organização da militância revolucionária.


As mídias sociais nos permitem alcançar um número enorme de pessoas de uma maneira que antes seria muito difícil ou, ao menos, exigiria recursos consideráveis (para divulgação, panfletos, contatos telefônicos, etc, em grande escala). Esse é o aspecto empolgante e amplamente comentado acerca do trabalho nas mídias sociais, um trabalho que precisamos fortalecer e utilizar do modo mais completo possível.

No entanto, como revolucionários que estudam a história, sabemos que a visibilidade em massa não leva, por si só, à revolução. As revoluções são eventos muito complicados em que movimentos e partidos têm que ser capazes de giros abruptos, operando em condições de passagem da legalidade à ilegalidade; eles têm que ser capazes de sobreviver à sabotagem, repressão, infiltração e desinformação do Estado.

A forma do partido leninista foi construída especificamente para resistir à repressão do Estado. Para ter uma organização grande e nacional que possa se reorientar rapidamente, mover-se com unidade política e organizacional e mantendo o mesmo nível de disciplina que o Estado (ou até mais), as comunicações e publicações nos partidos leninistas foram organizadas verticalmente – de baixo para cima e de cima para baixo. A manutenção dessas normas internas do partido é de máxima importância para defender a organização e preservar sua unidade em ação.

As mídias sociais representam desafios consideráveis para a forma do partido leninista e para o movimento socialista em geral. Elas criam um potencial ilimitado para comunicações horizontais entre membros, para fofocas e insinuações no interior do movimento e para a vigilância da vida dos membros (orientação política, estado de ânimo, finanças, atividades românticas, etc).

Também difunde o espontaneísmo na comunicação do Partido (em comparação com publicações impressas, que são criadas, produzidas e distribuídas centralmente por uma liderança destacadas). Ao contrário de um jornal, as redes sociais permitem que os membros escolham quais artigos querem distribuir, escrevam suas próprias manchetes acima das manchetes do Partido e distribuam seus próprios artigos, escritos por eles mesmos ou por outros, sem qualquer discussão e avaliação coletiva do Partido.

Esses desafios não têm soluções fáceis, mas podem ser enfrentados, em primeiro lugar, elevando a consciência entre camaradas sobre esses desafios, para que trabalhemos juntos conscientemente; para que conscientemente construamos nossa unidade política e conscientemente pratiquemos o centralismo democrático.

Introdução: o porquê deste documento

A quantidade de tempo que a classe trabalhadora e todas as camadas da sociedade gastam nas redes sociais é motivo suficiente para que o Partido desenvolva melhor as práticas e diretrizes para seus membros neste âmbito. No período de alguns anos, esta tornou-se a forma dominante de mídia, atraindo literalmente bilhões de pessoas em todo o mundo e a grande maioria da população de nosso país [EUA]. Nós já reconhecemos essa ferramente como essencial para todo o nosso trabalho de organização, agitação e comunicação de massas, mas ainda não falamos sobre suas implicações mais profundas, ou traçamos um plano organizacional e diretrizes operacionais correspondentes.

A classe dominante é bastante eficiente em práticas de mídia social, no que diz respeito às suas operações de negócios e no campo da organização política. A classe dominante tem rígidas diretrizes de mídia social para seus líderes e agentes. Conta também com milhares de pessoas pagas que trabalham dia e noite para promover sua visão de mundo e defender seus interesses online; usam as mídias sociais como uma ferramenta poderosa para seus fins. Seus agentes são mantidos em padrões profissionais de conduta e adaptam suas mensagens com a intenção de persuadir milhões de pessoas a segui-los, fazer doações, comprar, votar neles, etc.

Revolucionários profissionais – em contraste com os revolucionários amadores – devem se esforçar para corresponder a esse profissionalismo e, na verdade, ir além dele. Nosso projeto de revolução social é mil vezes mais difícil e significativo do que sua missão (autopromoção e engrandecimento pessoal) e, portanto, a conduta dos membros do Partido nas redes sociais deve apresentar níveis mais elevados de disciplina, humildade e coordenação.

Por último, mas não menos importante, as preocupações de segurança nos obrigam a levar muito a sério nossa conduta nas mídias sociais, que são, por natureza, públicas e dispersas.

Mídias sociais: uma mudança qualitativa nas comunicações de massas

A mídia social não é apenas um avanço tecnológico. É uma mudança tecnológica que alterou fundamental e permanentemente as relações sociais em quase todos os aspectos da vida, bem como na cultura de massas e, é claro, nos meios de comunicação. Não é menos significativa do que as invenções da prensa, do rádio ou da televisão, que vieram antes, e este advento por si só mudou muito no mundo.

As mídias sociais, na verdade, representam um salto qualitativo a partir dessas formas, devido à sua natureza horizontal. A revolução do computador colocou ferramentas de publicação ao alcance de todos. As mídias sociais, de todo modo, ampliaram a possibilidade de distribuição em massa, ultrapassando fronteiras geográficas, tornando o indivíduo um meio de comunicação de fato. Isto tudo apresenta um vasto potencial para que levemos a cabo a estratégia do Partido para popularizar o socialismo, mas apresenta desafios igualmente grandes à forma do partido leninista.

É essencial que todos os revolucionários adaptem seus modos de organização à época em que vivem. O Partido pode se fortalecer criando processos e métodos para aproveitar ao máximo o potencial da mídia social e, ao mesmo tempo, lidar diretamente com suas debilidades.

Isso significa usar o potencial das mídias sociais para comunicação em massa e, ao mesmo tempo, preservar (e de fato aperfeiçoar e atualizar) o centralismo e as formas “verticais” que provaram ser vitais para a sobrevivência e o sucesso das organizações revolucionárias. Nenhum movimento revolucionário pode efetivamente resistir, responder e superar o Estado centralizado sem o seu próprio modelo “vertical” – baseado na responsabilização de corpos inferiores perante os superiores e uma cadeia de comando bem definida que permite, como um todo, rapidamente responder a eventos, tomar iniciativas e fazer reorientações sempre que necessário.

Esse é o desafio fundamental que os revolucionários enfrentam com as mídias sociais. Elas facilitam a expressão espontânea dos ânimos, ideias e até ações; mas um movimento baseado na espontaneidade e na desorganização nunca derrotará o aparato do estado centralizado (e a mídia empresarial).

Espontaneidade e horizontalismo

Assim como a mídia social pode, quase instantaneamente, facilitar ações radicais e modificações positivas do estado de ânimo das massas; ela pode, em igual medida, facilitar espontaneamente o pessimismo e o cinismo. Uma ideia, evento ou imagem revolucionária pode “se tornar viral” e ser absorvida momentaneamente por grandes setores da população. Uma boa análise política pode decolar online e ser compartilhada, lida e assimilada no período de 24 horas entre os combatentes de vanguarda do país. Este é claramente um novo aspecto importante da organização nos tempos atuais.

Mas, com a mesma facilidade, essas contribuições progressistas e revolucionárias podem ser (e são) sucedidas por novos conteúdos virais que são imprecisos, enganosos ou francamente reacionários. Partindo dessa cultura de vale-tudo das mídias sociais, a classe trabalhadora e seus combatentes mais abnegados não chegarão espontaneamente às lições generalizadas da luta de classes, em toda a sua complexidade, nem desenvolverão um olhar perspicaz, voltado a identificar e combater os diferentes matizes da ideologia burguesa e pequeno-burguesa, mascarada de “radical”, de uma hora para a outra.

Esse tipo de desafio – fornecer clareza e coerência a partir de uma confusa dispersão de diversas correntes ideológicas entrecruzadas – não é novo. Na verdade, a tarefa primordial dos comunistas em todas as épocas é fundir às lutas da classe trabalhadora uma filosofia e um ponto de vista revolucionários, baseados no estudo científico da sociedade e da história. Isso nunca foi simples e fácil, porque a ideologia burguesa é sempre dominante na sociedade capitalista, exceto nas circunstâncias mais excepcionais: isto é, nos raros momentos em que a classe trabalhadora em massa chega à conclusão revolucionária de que seu futuro é melhor assegurado pela destruição do estado de coisas existente.

Nesse sentido, as mídias sociais aceleram, com uma enxurrada ininterrupta de opiniões e informações políticas, o problema geral que os comunistas sempre enfrentaram. Os comunistas de todas as épocas têm que lidar com a questão de quais formas de organização e comunicação melhor servem a essa tarefa em seu contexto. É aqui que entra a ideia de um “organizador coletivo”.

O desenvolvimento histórico do “organizador coletivo”

Na época da fundação do marxismo, em que o proletariado ainda estava em processo de formação como classe, as ideias revolucionárias foram inicialmente difundidas por tratados e polêmicas teóricas de alto nível entre a intelligentsiaradical e um substrato relativamente pequeno de trabalhadores alfabetizados e avançados. O meio editorial avançara consideravelmente em relação aos séculos anteriores, mas permanecia dispendioso e altamente trabalhoso, o que limitava as capacidades das novas organizações socialistas. O principal método para manter a unidade organizacional entre diversos coletivos radicais em um determinado país foi a turnê de palestras. As ideias do centro organizacional literalmente viajaram e chegavam a cada localidade através do palestrante.

A Segunda Internacional testemunhou a popularização (mas também a diluição) de conceitos-chave marxistas, graças ao rápido crescimento e difusão de instituições como os sindicatos e os partidos operários, auxiliados pelos índices crescentes de alfabetização e busca por leitura da classe trabalhadora urbana. Essas instituições produziram uma montanha de publicações: panfletos, livros, jornais, etc, para variados públicos. A essa altura, a evolução da tecnologia de impressão tornou o processo de publicação muito mais fácil e acessível para a classe trabalhadora e suas organizações em todo o mundo.

As publicações do período da Segunda Internacional refletiam a difusão de suas organizações, que tinham tendências múltiplas e não uma única linha política. As publicações continham opiniões amplamente divergentes, constituindo um ecossistema maior de pensamento e debate socialista, em vez da voz unificada do Partido ou de sua liderança.

Os marxistas russos, na virada do século XX, mostraram grande parte dessa dispersão em suas publicações e na organização do Partido, ao mesmo tempo em que navegavam pelas condições peculiares de uma constante repressão e censura estatal.

A Rússia assistiu nas décadas precedentes a um grande surto de greves, conforme a classe trabalhadora industrial nascia. Apesar de lutarem por demandas econômicas imediatas, os trabalhadores mostraram seu poder a todos os setores da sociedade e provaram, na prática, a uma geração de radicais que essa atividade em massa, mais do que terrorismo direcionado ou retorno ao meio rural, seria a chave para a revolução vindoura.

O “Que fazer?” de Lenin (1901) lançou uma polêmica contra aqueles que acreditavam que o Partido poderia dirigir tais explosões espontâneas a um avanço revolucionário e derrotar o Estado. Seus adversários defendiam um modelo organizacional em que os círculos e coletivos locais mantinham seus jornais autônomos e se concentravam em estimular o proletariado à ação através de uma agitação em torno de suas demandas econômicas imediatas.

Lenin visava outro modelo, baseado em uma compreensão diferente da relação entre a atividade espontânea e a organizada. Na opinião de Lenin, os marxistas revolucionários só poderiam celebrar a atividade espontânea como uma expressão, em forma embrionária, do potencial para uma luta de classes consciente e dirigida. De fato, o objetivo do marxismo era travar uma luta feroz contra a espontaneidade, porque sem a orientação socialista da ideologia e da liderança, o movimento da classe trabalhadora inevitavelmente seria cativo da ideologia burguesa e fixaria suas vistas apenas em suas demandas imediatas. A concepção de Lenin da necessidade de uma organização distinta, que introduziria ideias socialistas revolucionárias no movimento espontâneo dos trabalhadores, não era um tipo de elitismo, como os anticomunistas há muito afirmam. Ao contrário: foi um chamado para que os marxistas passem de buscar agradar aos trabalhadores [por meio de concessões ideológicas] e, em vez disso, atraíssem as lideranças da classe operária para uma organização de revolucionários altamente dedicados, cujo trabalho consistia em processar, sintetizar e responder constantemente às diversas lutas políticas e de classes que se desenrolavam ao redor do país.

Para Lenin, isso aconteceria através de um jornal nacional, o novo “organizador coletivo”. Embora os jornais administrados localmente pudessem certamente ter um lugar na agitação socialista, a principal deficiência do movimento da Rússia era a ausência de uma publicação nacional para pôr em destaque a linha política geral, demandas e visões do movimento. O localismo, de fato, desarmou os ativistas e trabalhadores, estreitou sua visão política e deixou-os despreparados para lidar com as complexidades da luta contra o Estado.

Envolvendo revolucionários e trabalhadores dispersos sob um mesmo material, envolvendo-os no processo de avaliação e fornecendo-lhes de forma escrita as experiências sintetizadas de seus camaradas em outras cidades, uma organização nacional verdadeiramente unida de revolucionários poderia ser organizada.

O jornal e o centralismo democrático

Com todos os membros ligados a um jornal comum e central expressando a linha política da organização, todos sabiam que, independentemente da localidade, um camarada em outra cidade ou vila compartilhava verdadeiramente de sua visão e modelo organizacional. Enquanto o Partido sempre praticou a democracia em suas reuniões, congressos, discussões editoriais e na eleição de líderes (incluindo editores), esse novo tipo de formato de jornal é o que introduziu o centralismo em um sentido prático.

Como todos os círculos locais responderiam às instruções do jornal nacional e o promoveriam, o jornal forneceria um meio de erradicar várias formas de amadorismo e arbitrariedade, exigindo a disciplina dos corpos inferiores aos corpos superiores – uma necessidade absoluta para construir um aparato que pudessem competir com o Estado hierárquico e seus agentes.

A pedra angular da nova forma organizacional de Lenin eram os quadros, revolucionários profissionais que se tornaram especialistas na luta de classes e se uniram através de anos de atividades comuns e sacrifícios compartilhados. A criação de uma rede de distribuição subterrânea para o jornal em si foi uma dessas experiências compartilhadas que ajudaram a construir o profissionalismo e as capacidades da organização.

A organização que tomou forma em torno das propostas de Lenine – os bolcheviques – de fato desenvolveu um caráter único em comparação com a forma organizacional dos partidos da Segunda Internacional. Nas crises revolucionárias desencadeadas pela destruição massiva da Primeira Guerra Mundial, somente os bolcheviques foram capazes de tomar e manter o poder. Quando a Terceira Internacional foi formada, inspirada pela Revolução Russa, seus partidos-membros replicaram esse aspecto da forma organizacional bolchevique. O jornal nacional centralizado, funcionando como a voz, ou órgão, da liderança do Partido, foi reproduzido em partidos comunistas em todo o mundo.

O jornal, enquanto tecnologia, é bem adequada para as relações verticais que caracterizam as organizações centralistas-democráticas. Pelo menos até a era do computador, a impressão de um jornal exigia recursos econômicos consideráveis, força humana, um centro físico e redes de distribuição bem definidas. Em suma, a impressão e a distribuição eram um empreendimento importante que exigia uma organização que centralizasse seus recursos financeiros e humanos coletivos.

A produção de jornais, pelo menos quando funcionando de forma saudável, também incluía um período de democracia – quando os artigos eram discutidos, revisados e editados pelos camaradas envolvidos no trabalho e eleitos para liderá-lo – seguido por um período de centralismo, quando a publicação era impressa e todos os membros eram obrigados a defendê-la, mesmo que não estivessem de acordo com todos os artigos.

As dificuldades objetivas na impressão de jornais também continha uma atração embutida para que ativistas individuais e revolucionários se juntassem às organizações. Dado que indivíduos e pequenos grupos não poderiam facilmente criar seus próprios jornais, (ou pelo menos não com distribuição significativa) fazer parte de um projeto político com qualquer tipo de visibilidade nacional requeria que se estabelecesse relações com outras pessoas.

De certa forma, a imprensa radical era praticamente sinônimo da própria organização radical. É por isso que a repressão estatal foi tão frequentemente dirigida a fechar e confiscar as imprensas independentes. Desde os ataques às imprensas abolicionistas de meados do século XIX até os ataques aos sindicalistas após o Caso Haymarket, as organizações podiam ser essencialmente silenciadas sem as suas prensas.

Na Rússia czarista, tais ataques às editoras independentes foram um grande impedimento para a publicação consistente, forçando os militantes radicais a passar por processos gerenciados pelos censores do estado. O jornal nacional de Lenin, o Iskra, ajudou a aliviar o problema imprimindo no exterior.

Qual é o nosso organizador coletivo?

Hoje, os sites e as páginas do Partido nas redes sociais desempenham funções que se assemelham mais ao “organizador coletivo” do que o jornal do Partido. Quando os membros, ou outras pessoas, querem saber qual é a perspectiva do Partido sobre um determinado assunto, eles vão a esses sites em vez de esperar pelo jornal. Esses sites publicam conteúdo com muito mais frequência e centralizam as experiências díspares da luta de classes (em nossas seções e em todo o mundo).

sso não quer dizer que as publicações impressas não desempenhem papéis semelhantes. O jornal não é a voz principal e central do Partido, mas é uma ferramenta centralizada de divulgação e agitação, planejada e direcionada para a intervenção direta do Partido nos movimentos em desenvolvimento. Ele fornece uma identidade comum e uma linha para nossas intervenções, independentemente da cidade em que estamos. Os livros também podem desempenhar o papel de um organizador coletivo na medida em que podem atrair grandes seções dos membros em grupos de estudo comuns e discussões ideológicas, refinando e aprofundando a linha política distinta de nossa organização.

A mídia social não é naturalmente um “organizador coletivo”

O site e as páginas nas mídias sociais exigem atualizações constantes para permanecerem atraentes e não têm limites para a quantidade de conteúdo que podem conter. Isso sem dúvida introduz algumas fraquezas em comparação com o clássico “organizador coletivo” do jornal. A forma de jornal partidário tradicional comunicava prioridades organizacionais claras aos membros e outros leitores. Isso ficava claro a partir do que era colocado na primeira página, qual era o assunto do editorial, quais artigos obtêm cobertura proeminente e quais não. Alguns desses benefícios do jornal podem ser mantidos na forma do website com um layout apropriado e a publicação consistente de declarações e editoriais do PSL. O lançamento da Liberation School ajuda o Partido a promover aquelas análises mais aprofundadas que desejamos difundir.

Mas transmitir prioridades organizacionais é um pouco mais difícil de fazer naturalmente através das mídias sociais, onde as postagens são simplesmente listadas cronologicamente ou difundidas com base em algoritmos que não podemos controlar ou mesmo determinar completamente (e são de fato manipulados seletivamente pelas grandes corporações). Um artigo ou declaração de suma importância para a liderança do Partido e para os editores pode receber significativamente menos atenção do que uma de menor importância. Pode receber menos atenção porque sua manchete não é tão atraente ou seu assunto não está diretamente relacionado ao atual ciclo de notícias, a mais recente peculiaridade no algoritmo, ou porque nossos membros e leitores têm menos familiaridade com ele.

No jornal leninista tradicional, como organizador coletivo do partido, a matéria da primeira página seria cuidadosamente selecionada. Todos os membros saberiam ler o artigo que foi colocado na primeira página e, quando saíssem para distribuí-lo, seriam obrigados a explicar sua importância para os outros. Além disso, ao distribuir o jornal, distribuiriam todos os seus artigos, não apenas alguns que mais lhes agradassem pessoalmente.

Em comparação, quando os membros de hoje acessam nosso site ou página nas redes sociais, podem ignorar esse artigo, especialmente se ele não apelar imediatamente para sua curiosidade pessoal ou seus interesses pessoais. Eles podem não distribuí-lo/compartilhá-lo simplesmente porque supõem que seusamigos não se relacionarão com seu tema. Isto é um problema. Se não estabelecermos métodos conscientes e deliberados para neutralizar essas tendências, as mídias sociais podem, na verdade, impedir a capacidade da liderança do Partido e da equipe de publicações de organizar centralmente os membros por meio de suas publicações. Pode levar à compartimentalização – com certos camaradas apenas promovendo artigos sobre certas questões – em vez de encorajar a unidade e uma atitude comunista para apoiar todas as lutas dos oprimidos.

Vamos considerar outro cenário, que na verdade é bastante comum e tem implicações políticas que são facilmente ignoradas. Digamos que o Partido tenha postado um artigo sobre um caso de brutalidade policial em que o policial foi efetivamente indiciado depois de um grande protesto. O artigo intitula-se “Luta popular força o indiciamento de um policial assassino em Nova York”, e essa é sua ênfase, mostrando às pessoas que protestar pode, de fato, fazer uma grande diferença. Em um lugar no artigo, também diz: “É claro que não devemos esperar justiça dos tribunais capitalistas – a luta deve continuar”. Considere que um membro do Partido compartilha o artigo com a legenda “Não espere justiça dos tribunais capitalistas!”. Com efeito, esse camarada modificou a manchete e a ênfase do artigo, contradizendo os camaradas que o desenvolveram e decidiram nos estágios de escrita e editorial. O processo organizado e coletivo do Partido (neste caso, o estágio de publicação) foi substituído no último estágio da distribuição.

Ou considere que o camarada escreve como uma legenda ou tweet: “Estou tão cansado de protestar contra algo que deveria ser tão óbvio!“. Este é um sentimento compreensível, mas na verdade inverteu o espírito do artigo original. Em vez de um incentivo para continuar a luta, reflete exaustão e desânimo. Provavelmente, nove décimos dos seguidores e amigos não clicam no artigo em si (mesmo aqueles que “curtem” ou “favoritam”). O camarada promoveu a linha do Partido ou a enfraqueceu?

Não existe uma solução fácil e roteirizada para este desafio, mas ele exige que os camaradas sejam leitores mais vigilantes e conscientes – para realmente pensar na orientação e ênfase do Partido nos artigos que compartilham.

As mídias sociais, em suma, oferecem muitas oportunidades para a espontaneidade se infiltrar no processo de publicação e distribuição e, portanto, na nossa luta para elevar a consciência revolucionária. Como cada membro pode criar e distribuir instantaneamente conteúdo para o movimento, o Partido e o público, cada um se transforma, em essência, em uma mídia por si mesmos. Para superar a espontaneidade e o individualismo, certificar-se de que as publicações e a linha política da organização se destaquem, requer-se uma atividade consciente, deliberada e organizada.

A melhor salvaguarda é, obviamente, usar as mídias sociais em coordenação com outros camaradas, de modo que os pontos de discussão e as legendas sejam completamente consistentes e unificadas, mesmo quando sejam personalizadas em algum grau.

Sistemas fáceis de censurar

Uma realidade adicional é que os meios de produção nas redes sociais são controlados de forma privada. Eles estão fundamentalmente nas mãos de nossos inimigos de classe, que podem e vão usar essas poderosas ferramentas contra os movimentos do povo e para desorientar a população – ou até mesmo desconectar os serviços de mídias sociais se estes ficarem fora de controle.

Tais medidas drásticas podem ter consequências desastrosas para a classe dominante. Quando Hosni Mubarak desconectou o Twitter, enfureceu seções ainda maiores da sociedade egípcia e compeliu as pessoas a comparecerem aos protestos para ver o que estava acontecendo por si mesmas. Mas as grandes empresas de tecnologia já desenvolveram, a pedido de governos, técnicas sofisticadas para censurar certos conteúdos e demonstraram disposição de fechar perfis e páginas que são consideradas “ameaças à segurança nacional”.

Isso sugere que, embora o Partido aproveite ao máximo a “liberdade” política atual para se envolver em comunicações de massa convencionais por meio de mídias sociais e e-mail, também deve estudar os métodos e experiências de radicais contemporâneos que operam em condições políticas mais adversas.

Problemas de segurança e vulnerabilidades

As dimensões de segurança das mídias sociais são de importância primordial. O FBI, o DHS, a NSA, as agências policiais locais e os prestadores de serviços de segurança privada têm divisões e departamentos inteiros concentrados na coleta de informações das redes sociais como seus empregos em tempo integral. Praticamente todas as operações de coleta de informações e uma quantidade enorme de processos judiciais se baseiam nas mídias sociais.

Como a mídia social é “pública”, as salvaguardas constitucionais uniformes que existem em outras formas de comunicação são de pouca utilidade nas mídias sociais. Esses agentes podem facilmente criar perfis falsos, adicionar como “amigos” pessoas do Partido ou do movimento e depois acumular grandes quantidades de inteligência. Esses agentes têm uma motivação pessoal e carreirista para inventar e exagerar ameaças, para “encontrar algo” que possa ser punido ou colocado em um produto de inteligência para impressionar seus superiores.

Cada membro do Partido e do movimento deve se conduzir nas redes sociais com a expectativa de que sua atividade não seja privada. Isto é assim mesmo para a população em geral, mas ainda mais para os membros do nosso Partido, uma organização que se orienta para os pontos mais agudos da luta política em uma grande variedade de movimentos sociais. Há provas documentais claras, bem como muita experiência pessoal, que falam sobre a quantidade de tempo e energia que a polícia e os agentes do “contra-terrorismo” usaram para rastrear, infiltrar e sabotar os movimentos em que o PSL esteve envolvido centralmente: o movimento anti-guerra, o movimento Occupy, o movimento Black Lives Matter, etc. O fato de esses movimentos não estarem envolvidos em atividades criminosas e serem quase inteiramente não-violentos é de pouca importância para eles.

Quando o estado investiga ou sabota uma organização ou movimento, em que tipo de informação seus agentes estão interessados? Tudo. Acima de tudo, eles procuram vulnerabilidades pessoais, fraquezas internas e contradições nascentes entre os membros, ou com outros movimentos, que possam ser explorados. Além disso, eles estão procurando por falas sensacionalistas e imagens que possam ser distorcidas e manipuladas em um possível processo criminal, usado para justificar investigações maiores, ou simplesmente salvos para demonizar os membros das organizações em um momento posterior.

Veja um cenário: se um agente da inteligência for a um evento de uma organização e depois adicionar uma boa parte de seus membros no Facebook, o que eles poderiam obter? Uma vez que eles tenham adicionado dois ou três membros, eles logo poderão se tornar amigos do resto (baseando-se em seus “amigos em comum”). Simplesmente monitorando suas páginas por pouco tempo, rastreando “curtidas”, comentários, imagens e outras atividades, uma pessoas seria suficiente para identificar:

1. Quem se encontra com quem, efetivamente mapeando a organização.
2. A rotina pessoal, incluindo paradeiro regular.
3. Quem é o mais ativo, quem é inativo, quem é popular e influente.
4. Que problemas e lutas são mais importantes para quais membros.
5. Quem está lidando com problemas financeiros e familiares.
6. Quem parece pessoalmente frustrado ou deprimido.
7. Quem está politicamente desmotivado (isso pode ser inferido simplesmente pela ausência de postagens que coincidam com as iniciativas da organização, ou conteúdo passivo agressivo indireto).
8. Quem parece ter “lealdade dividida”, agindo de maneira amigável com indivíduos que são hostis ao Partido (por exemplo, um ex-membro que foi expulso).

Assim como um membro pode facilmente detectar todas as informações acima sobre os membros de nossos próprios organismos, podemos detectá-lo sobre outros organismos e outros no movimento. Do mesmo jeito poderão os agentes do Estado. A realidade é que os indivíduos agora naturalmente distribuem essa informação sobre si mesmos livremente.

Não existe uma solução simples para esse problema, uma vez que os militantes utilizem as redes sociais. O importante é que utilize a própria página para projetar a unidade, a solidariedade e o otimismo revolucionário; postar consistentemente artigos e eventos envolvendo a organização; e evitar no geral sinalizações de contradições internas e fraquezas pessoais. Enquanto muitas pessoas na sociedade utilizam as mídias sociais como um diário online, como é sua prerrogativa, todos os camaradas devem se perguntar: como um revolucionário, eu quero que o Estado tenha meu diário?

Uma vez identificado como um organizador e revolucionário, tudo o que você diz e faz – online ou pessoalmente – será visto como uma representação de seus valores, sua identidade política e da(s) organização(ões) que você representa. Embora as redes sociais tenham retirado a mídia e as publicações das mãos exclusivas da burguesia – gerando muito mais oportunidades para as pessoas pobres e da classe trabalhadora promoverem e divulgarem seus pontos de vista – ela ainda promove noções pequeno-burguesas e individualistas sobre a “propriedade privada” do conteúdo que criamos. Devemos fazer pleno uso das possibilidades das mídias sociais enquanto nos resguardamos contra tais sentimentos.

Como todas as tecnologias, as plataformas de mídias sociais não são em si inerentemente boas ou ruins, progressivas ou regressivas. Em vez disso, são os contextos políticos e ideológicos em que estão situadas que, em grande medida, condicionam os limites de seu uso. Ao identificar os desafios e oportunidades que elas apresentam, podemos exercer seu poder de maneira mais eficaz, sem sucumbir à espontaneidade, perdendo de vista nossas normas organizacionais ou nos tornando excessivamente confiantes nelas em nosso trabalho de organização.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *